Arquivo da categoria: Hipertrofia e Massa Muscular

BETA ALANINA

Para que serve, quais seus benefícios e como tomar

Nesse artigo nós iremos sanar todas as dúvidas a respeito do aminoácido beta alanina. Sua função, benefícios e como tomar corretamente sua forma concentrada em suplemento.

 

A beta alanina é um aminoácido não essencial como a glutamina, assim sendo, o nosso corpo é capaz de produzi-la sem nenhum problema. Porém, para melhorar a performance nos treinos é necessário consumir esse aminoácido através de outros alimentos como carnes vermelhas e brancas e também através da suplementação. Os aminoácidos são necessários para a construção da proteína, nutriente base para a formação muscular. Se não há aminoácidos, não há como sintetizar proteínas e eis que chegamos no ponto da importância de consumir beta alanina.

O que a Beta Alanina faz?

Como já foi dito, a beta alanina é um aminoácido e, portanto, não pode sintetizar uma proteína sozinha. Ela aumenta a concentração de carnosina, uma substância formada por outros dois aminoácidos: alanina e histidina. Com a carnosina ou L-carnosina em alta, a falha muscular demora mais para se desenvolver já que ela atua revertendo os danos na fibra muscular que ocorrem na musculação. Dessa forma, o seu desempenho melhorará já que você conseguirá se exercitar por mais tempo sem sentir dor.

 

Benefícios da Beta Alanina

A beta alanina não é benéfica apenas para os exercícios anaeróbicos e de alta intensidade. Ela é bastante útil para pessoas que fazem treinamentos aeróbicos intensos como corridas, ciclismo ou natação. Neste caso também ocorre o aumento da performance do atleta quando ele ingere a suplementação com beta alanina.

Um benefício consequente de todo esse aumento no desempenho dos exercícios é o fato da alanina promover maior crescimento muscular. Quando você aumenta o tempo de exercícios intensos e leva um intervalo considerável até chegar à fadiga muscular, obviamente mais músculos serão lesionados e mais reconstrução muscular haverá. Resumindo, a beta alanina é um agente ergogênico, um aminoácido que não constrói músculos.

Existem duas boas vantagens em consumir a beta alanina. A primeira é o seu preço acessível, muito mais viável do que a carnosina. Além do mais, esta, tem boa parte de sua eficácia perdida quando passa pelo estômago, o que não acontece com a beta alanina. Assim, é possível utilizar um suplemento que aumenta a performance muscular e ainda possui propriedades que ajudarão no pós-treino atuando como um reparador das lesões musculares.

 

Como funciona a Beta Alanina fisiologicamente falando?

Quando estamos nos exercitando, praticando atividades anaeróbicas e trabalhando com cargas que oferecem elevada intensidade aos músculos ocorre o acúmulo de muito H+, ou seja, começa a ocorrer um processo de acidose muscular. É esse o fato que faz com que você sinta aquele “ardor” na musculação e tenha que parar para que o músculo se recupere. A beta alanina age como um efeito tampão, uma substância básica que consegue equilibrar o pH do meio fazendo que você demore mais tempo para sentir aquela dor característica da fadiga muscular.

 

Efeitos colaterais
O único efeito colateral relatado até o momento, é o formigamento e leve coceira nos membros e extremidades (pernas, braços, mãos e pés) que desaparecem depois de cerca de 20 minutos. Esse formigamento não causa malefício a saúde e ocorre devido a alta concentração desse aminoácido no sangue.
Como toma a Beta Alanina?

Alguns podem achar a forma de suplementar a beta alanina muito parecido com o da creatina, pois deve levar cerca de 6 a 7 semanas. O uso de aproximadamente 6 g de beta alanina por dia, durante 28 dias, pode aumentar em até 60% a concentração da carnosina. O valor médio para ser usado diariamente varia de 4 a 8 g.
Referências:
PAINELLI V. S. e JUNIOR A. H. J. O Papel da Suplementação de Beta Alanina e Bicarbonato de Sódio na Atividade Tampão e Desempenho. Laboratório de Nutrição e Metabolismo da Atividade Motora, Departamento de Biodinâmica do Movimento do Corpo Humano, Escola de Educação Física e Esporte, Universidade de São Paulo, PIBIC-CNPq.

 

QUAL SEU TIPO FÍSICO?

MESOMORDO, ECTOMORFO OU ENDOMORFO

 mesomorfo-ectomorfo-endomorfo2

Você provavelmente já notou que seu corpo não é o mesmo que o de seus amigos ou colegas de trabalho. Algumas pessoas tendem a ser mais magras e ter mais curvas, enquanto outras são mais pesadas, com ossos mais largos. Isso ocorre, porque todos nascemos com um corpo diferente, isso é resultado de nossa genética. As chances de seu corpo ser parecido com o de seus pais e irmãos são enormes.

Alguns especialistas em fitness chegaram à conclusão de que existe um tipo certo de treino e dieta para cada tipo de corpo, portanto, é fundamental que você descubra qual é o seu para maximizar os resultados de seus treinos.

Existem três tipos de corpos, os Endomorfos, Mesomorfos e Ectomorfos.

Vamos falar um pouco sobre eles:

ENDOMORFO

Esse é um tipo encorpado, com mais gordura corporal. As pessoas com esse tipo de corpo normalmente possuem ossos largos, quadris e coxas grandes e rostos redondos. Os braços e pernas costumam ser curtos, salientando ainda mais o aspecto encorpado das pessoas endomorfas. Na maioria dos casos, as pessoas têm uma cintura alta, mãos e pés pequenos.

Além disso, os endomorfos possuem um nível maior de gordura corporal, porém tem mais facilidade para construir tecidos musculares do que os demais.

Infelizmente, perder peso é uma grande dificuldade para as pessoas endomorfas.

MESOMORFO

Um corpo atlético com metabolismo acelerado.

Os mesomorfos são frequentemente descritos como pessoas com corpos atléticos. Um indivíduo com esse tipo físico, geralmente tem corpo magro com muita facilidade em ganhar massa muscular.

A maioria dos mesomorfos tem a cintura baixa, estreita e ombros largos. Possuem uma mandíbula quadrada e maças do rosto proeminentes. Essas pessoas tendem a ter o metabolismo rápido, facilitando a tarefa de perder peso.

Os mesomorfos tendem a ter pernas e braços bem desenvolvidos, com músculos fortes e definidos. Para resumir, é o típico retrato de Arnold Schawarzenegger.

ECTOMORFO

Aparência fina, com baixo nível de gordura

Os indivíduos com um tipo de corpo ectomorfo geralmente possuem corpos finos, com ombros, cintura e quadris estreitos. Os ombros, além de estreitos, costumam ser caídos.

O rosto tende a ser triangular, as característica faciais são nítidas. É fácil para alguém com esse tipo de corpo perder peso e se manter com baixo nível de gordura corpora. Porém, os ectomorfos tem mais dificuldades em ganhar massa muscular do que os outros.

Agora que você conhece qual o seu tipo corporal, você pode otimizar sua dieta e treinamento de acordo com o seu biotipo.

CONCLUSÃO

Não importa qual o seu biotipo, você pode construir um corpo musculoso e definido se acreditar em si mesmo!

 

 

 

 

Aminoácidos BCAA

BCAA – Branched Chain Amino AcidsAminoacido-Bcaa

 

  Aminoácidos são pequenas unidades que formam uma estrutura maior chamada proteína, que por sua vez é a unidade básica do tecido muscular. Em nosso corpo ocorre a produção de alguns aminoácidos, outros devem ser adquiridos somente através alimentação, pois não são fabricados pelo nosso corpo. Estes são chamados de aminoácidos essenciais.São exemplos de aminoácidos essenciais: leucina, isoleucina e valina, que são aminoácidos de cadeia ramificada, encontrados principalmente em fontes protéicas de origem animal, através da dieta ou sintetizados individualmente em laboratório através da extração de proteína de origem vegetal ou animal e fermentação a partir de fontes de carboidrato para produção de suplementos alimentares, aminoácidos esses, muito utilizado tanto na indústria farmacêutica quanto na indústria alimentícia, conhecidos popularmente como os BCAAs, sigla derivada da sua designação em inglês: Branched Chain Amino Acids e em português ACR: Aminoácidos de Cadeia Ramificada.

Após a ingestão, os BCAAs são absorvidos no intestino e transportados até o fígado. No fígado, os BCAAs podem ser utilizados como substrato para síntese protéica e assim entram na construção dos músculos. Além disso, os BCAAs estimulam a produção de glutamina e alanina, entre outras substâncias.

Esses aminoácidos correspondem a 35% dos aminoácidos essenciais presentes em proteínas musculares do corpo humano, considerando que a massa muscular de humanos é normalmente variável entre 40 a 45% da massa corporal total, verificamos a importância e necessidade da correta ingestão desses aminoácidos, segundo a portaria nº222 de março/1988, MS, SVS, DOU. A necessidade diária dos BCAA para indivíduos saudáveis são as seguintes:

Isoleucina 10mg/kg ao dia

Leucina 10 mg/kg ao dia

Valina 14 mg/kg ao dia

Os BCAA aumentam a construção de proteínas musculares,reduzem sua degradação, fornecem diversos benefícios tais como: encurtamento do tempo de recuperação após exercício físico, aumento da resistência muscular, fonte alternativa de energia para diversos tecidos, auxilia na recuperação de micro traumas musculares, potencializa a liberação do hormônio do crescimento (GH), favorece a secreção de insulina, favorece processo de cicatrização, melhora do sistema imunológico, retarda a progressão de insuficiência hepática e renal, melhora do estado nutricional entre outros.

Comumente utilizado por atletas, praticantes de atividade física, idosos, pacientes debilitados, antes de cirurgias e pacientes alimentados por via enteral.

Referências:

Bassit, Reinaldo A. et.al, The effect of BCAA supplementation upon the immune response of triathletes; Official Journal of the American College of Sports Medicine, 2000.

Batistuzzo, J A; Itaya, M; Eto,Y. Formulário Médico-Farmacutico. São Paulo: Tecnopress,2002.

Junior, Moacir Pereira; Aspectos atuais sobre aminoácidos de xadeia ramificada e seu efeito ergogêncio no desempenho físico humano, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 6. n. 36. p.436-448. Nov/Dez. 2012. ISSN 1981-9927.

Junior, Moacir Pereira, Aspectos Atuais Sobre Aminoácidos de Cadeia Ramificada e Seu Efeito Ergogênico no Desempenho Físico Humano, Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 6. n. 36. p.436-448. Nov/Dez. 2012. ISSN 1981-9927.